Ir para o conteúdo

Prefeitura de Divinópolis e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Divinópolis
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
26
26 NOV 2021
ADMINISTRAÇÃO
Prefeitura apresenta proposta de compra de imóveis financiados pela Caixa
Em audiência de conciliação na Justiça Federal, realizada nesta quinta-feira (25/11), a Prefeitura de Divinópolis apresentou proposta de compra dos imóveis financiados pela Caixa, para manter o uso por famílias de baixa renda que comprovarem atendimento dos requisitos legais.

A audiência de conciliação faz parte da ação judicial que o Ministério Público Federal (MPF) move, para que seja determinado à Caixa Econômica Federal (CEF) que adote procedimentos para retomada dos imóveis irregulares dos residenciais Jardim Copacabana, Elizabeth Nogueira e Vila das Roseiras, conforme apurado no inquérito civil iniciado no ano de 2013, a partir de representação da Câmara Municipal de Divinópolis, registrando a ocorrência de venda, aluguel e casas desocupadas.

Na audiência, que teve presença do procurador da República, representantes da Caixa, bem como do procurador-geral do município, Leandro Mendes, e da secretária municipal de Assistência Social, Juliana Coelho, não houve acordo entre o MPF e a Caixa. Agora, o juiz vai examinar e decidir sobre o pedido liminar feito pelo Procurador da República.

O representante do Município apresentou proposta para compra das casas, com a finalidade de evitar que a Caixa retome os imóveis com irregularidades e, caso não selecione novos beneficiários na forma do programa “Minha Casa Minha Vida”, faça leilão das casas, hipótese em que perderia o objetivo social, deixando de atender a pessoas de baixa renda, em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

O procurador-geral do município registrou a preocupação da Administração Municipal diante dos fatos, com a necessidade de não gerar prejuízos à finalidade do programa habitacional, conservando-se o objetivo social, para que as casas sirvam para atender às pessoas de baixa renda, com a manutenção de quem se enquadrar nos requisitos legais como beneficiário e acomodação daqueles que já firmaram contrato com a Caixa, vêm pagando o financiamento, mas ainda não receberam seus imóveis.

Com fundamento no objetivo de manter o uso dos imóveis para pessoas de baixa renda e registrando necessidade de prévia aprovação de projeto de lei pela Câmara Municipal, o Município propôs a compra das casas e posterior seleção de famílias em situação de vulnerabilidade para moradia, através de concessão de direito real de uso. Por fim, os representantes da Prefeitura afirmaram sobre o compromisso em colaborar com o processo de seleção de novos beneficiários, conforme pede o MPF.
Seta
Versão do Sistema: 3.1.9 - 17/01/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia