Ir para o conteúdo

Prefeitura de Divinópolis e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Divinópolis
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
22
22 NOV 2021
CULTURA
Ato do Conselho da Igualdade Racial marca Dia da Consciência Negra em Divinópolis
enviar para um amigo
receba notícias

 
O Conselho Municipal da Promoção da Igualdade Racial (Compir), que inclui representantes da municipalidade de Divinópolis entre os membros, celebrou o ato de comemoração do Dia da Consciência Negra 2021 pela manhã de sábado (20/11), no Centro. A manifestação começou logo cedo com roda de capoeira.
 
 
A conselheira pelo segmento do Movimento Negro de Divinópolis (Mundi), Maria Catarina Laborê, recordou que em 2021 a manifestação demonstrou a força do Candomblé Angola, uma das religiões de matriz africana. “Foi em 1985 quando Clementina de Jesus gravou com Martinho da Vila a composição deste cujo refrão diz: ‘Eu não quero essa vida assim não, Nzambi / Ninguém quer essa vida assim não, Nzambi…’”, disse Laborê sobre a canção, que, para muitas pessoas, foi a primeira oportunidade de familiarizar-se com a palavra Nzambi, que é originária da língua kimbundu.
 
 
“Talvez a maioria nem suspeite que a música se refere à divindade maior do povo bantu, também chamada de Nzambi Mpumngu”, disse. No Brasil, é cultuada pelas nações Angola e Kongo/Angola do Candomblé, uma das mais antigas e maiores religiões afro-brasileiras.
 
 
O Candomblé da nação Ketu, do grupo étnico yorubá, que cultua os orixás, também chamado Jeje-Nagô, provém da região do antigo Reino do Daomé, atual Benin, e parte da Nigéria. Tornou-se popular, midiático e hegemônico por várias razões, dando a impressão de ser único.
 
 
Com o fim da perseguição institucional às religiões de matriz africana – apesar da persistente agressão e do preconceito de grupos intolerantes – foi possível conhecer outras formas de culto herdadas dos antigos escravizados.
 
 
 
Entenda a data
 
 
O Dia da Consciência Negra celebra-se no sábado, 20, em todo o território nacional. A data reúne diferentes ações de combate ao racismo e reacende o debate sobre a chegada dos negros ao país, a escravidão no Brasil e o racismo estrutural da sociedade.
 
A data foi escolhida porque foi o dia da morte Francisco Nzumbi, o Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares no Brasil que lutou contra a escravidão no Nordeste. Ele foi executado em 20 de novembro de 1695 pelas forças do bandeirante português Domingos Jorge Velho
 
A festividade é recordação da importância de refletir sobre a posição dos negros na sociedade. As gerações de afro-brasileiros que se seguiram ao período da escravidão sofreram (e ainda sofrem) preconceito em vários níveis.
 
Seta
Versão do Sistema: 3.2.9 - 07/12/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia